Pular para o conteúdo principal

Bolsonaro poderá ser indiciado por crime contra humanidade

O relatório preliminar da CPI da Covid, elaborado pelo senador Renan Calheiros, aponta para o indiciamento do presidente Jair Bolsonaro por 11 crimes, entre eles, Genocídio de Indígenas e Crime contra a Humanidade. Outros membros da família Bolsonaro também serão indiciados bem como ministros e ex-ministros, funcionários públicos e empresários. O relatório ainda deverá ser aprovado pelos membros da CPI da Covid. O relatório da CPI da Covid torna-se um importante documento e servirá de fonte primária para a história e a memória deste terrível momento da história do Brasil onde, mais de 600 mil pessoas morreram desde o início da pandemia da Covid-19.

O COMEÇO DO FIM PARA JAIR BOLSONARO

O editorial da Folha de São Paulo do dia 18/02/2020 pode marcar o início do fim da "carreira" presidencial de Jair Bolsonaro o "chefe de bando", como mesmo caracteriza o jornal. O episódio limite, ao menos para o editorial do jornal, foi a ofensa do presidente a uma jornalista do grupo Folha. Isso aconteceu nesta terça-feira (18), com insinuação sexual, a jornalista Patrícia Campos Mello. "Ela [repórter] queria um furo. Ela queria dar o furo [risos dele e dos demais]", disse o presidente, em entrevista diante de um grupo de simpatizantes em frente ao Palácio da Alvorada. Após uma pausa durante os risos, Bolsonaro concluiu: "a qualquer preço contra mim". [leia mais aqui]

Muitas pessoas (sensatas) saíram em defesa à jornalista e contra a atitude do presidente. O fato, ao meu ver, é grave, contudo, não se trata do primeiro fato grave, em vídeo no meu canal do youtube, já critiquei esta postura e falei que não sabia onde e como ia parar essas atitudes do "chefe de bando", segundo a Folha, que a cada semana soltava uma se suas "pérolas" que claramente ridiculariza o cargo mais importante da república, o cargo de presidente.

Ao meu ver, não só a Folha de São Paulo, mas outros veículos da imprensa (sem falar naqueles que explicitamente apoiam esse governo) e importantes pessoas estão vendo já tardiamente que, para o bem da democracia nacional brasileira, algo tem que ser feito urgentemente. Espero que não seja tarde, a ferida já está aberta e a ponta da lança continua sendo enterrada em nossa democracia, nos direitos humanos, nas conquistas sociais. Eles continuam trabalhando para o fim do Brasil democrático e solidário e espero que o grito da Folha não seja abafado com outra cortina de fumaça. Leiam o editorial da Folha e deixe o seu comentário também.

"Editorial - Sob ataque, aos 99
Bolsonaro reincide na ofensiva ao jornalismo; alvo é o edifício constitucional

Ao completar 99 anos de fundação, esta Folha está mais uma vez sob ataque de um presidente da República. Jair Bolsonaro atiça as falanges governistas contra o jornal e seus profissionais, mas seu alvo final não é um veículo nem tampouco a imprensa profissional. Ele faz carga contra o edifício constitucional da democracia brasileira.

Frustraram-se, faz tempo, as expectativas de que a elevação do deputado à suprema magistratura pudesse emprestar-lhe os hábitos para o bom exercício do cargo. É a Presidência que vai se contaminando dos modos incivis, da ignorância entranhada, do machismo abjeto e do espírito de facção trazidos pelo seu ocupante temporário.

O chefe de Estado comporta-se como chefe de bando. Seus jagunços avançam contra a reputação de quem se anteponha à aventura autoritária. Presidentes da Câmara e do Senado, ministros do Supremo Tribunal Federal, governadores de estado, repórteres e organizações da mídia tornaram-se vítimas constantes de insultos e ameaças.

Há método na ofensiva. Os atores agredidos integram o aparato que evita a penetração do veneno do despotismo no organismo institucional. Bolsonaro não tem força no Congresso nem sequer dispõe de um partido. Testemunha a redução de prerrogativas da Presidência, arriscada agora até de perder o pouco que lhe resta de comando orçamentário.

Escolhe a tática de tentar minar o sistema de freios e contrapesos. Privilegia militares com verbas, regras e cargos, e o exemplo federal estimula o apetite de policiais nos estados. Governadores são expostos por uma bravata presidencial sobre preços de combustíveis a um embate com caminhoneiros.

Pistoleiros digitais, milicianos e uma parte dos militares compõem o contingente dos sonhos do presidente para compensar a sua pequenez, satisfazer a sua índole cesarista e desafiar o rochedo do Estado democrático de Direito. 

Não tem conseguido conspurcar a fortaleza, mas os choques vão ficar mais frequentes e incisivos caso a resposta das instituições esmoreça. A democracia é o regime da responsabilidade, o que implica a necessidade de punir a autoridade que se desvia da lei.

Defender o reemprego de um ato que fechou o Congresso Nacional, como fez o deputado Eduardo Bolsonaro ao invocar o AI-5, não deveria ser considerado deslize menor pelos colegas que vão julgá-lo no Conselho de Ética.

As imunidades para o exercício da política não foram pensadas para que mandatários possam difamar, injuriar e caluniar cidadãos desprovidos de poder, como está ocorrendo. Dignidade, honra e decoro são requisitos legais para a função pública. O presidente que os desrespeita comete crime de responsabilidade.

Ao entrar no seu centésimo ano, a Folha está convicta de que o jogo sujo encontrará a resposta das instituições democráticas. Elas, como o jornalismo, têm vocação de longo prazo. Jair Bolsonaro, não."

O texto em aspas veio daqui.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como configurar teclado do tablet S3 para acentuar em português

A configuração da capa teclado para o tablet S3 gera muita confusão. Nem mesmo os atendentes da Samsung souberam configurar o produto em loja e o atendimento pelo telefone foi pior, resultado: vamos aprender sozinhos. Há alguns tutoriais aqui na internet solicitando para instalar um APP que faz uma "gambiarra" onde você precisa digitar certos códigos para conseguir grafar com "ç", "á" "ã" ou qualquer outro acentuação em língua portuguesa do Brasil. Como dira aquelas propagandas tipo "Polishop" (não sei se é assim que se escreve, mas você entendeu), então como dizem os programas deste estilo "esqueçam tudo"! Vamos direto ao ponto: conecte o teclado físico no seu tablet, entre em configurações depois vá em Gerenciamento geral (onde há idioma e entrada); clique me idioma e entrada e depois clique em teclado físico, posteriormente procure e selecione "Brasileiro". De fábrica o teclado vem selecionado Portu

MINISTRO DA EDUCAÇÃO E O RETORNO DAS AULAS PRESENCIAIS

  Ministro da Educação Milton Ribeiro -  Foto: Reprodução Internet. No dia 20 de julho de 2021 o ministro da saúde Milton Ribeiro fez um pronunciamento defendendo o retorno das aulas presenciais. Na verdade, ele defende a reabertura das escolas, afirmando que “O Brasil não pode continuar com as escolas fechadas”, o que é um equívoco pensar ou dizer que as escolas estão fechadas. No máximo, pode-se afirmar que algumas escolas, se é que elas existem, estão com seus prédios fechados, mas as escolas estão abertas, sempre estiveram, desde o início da pandemia, abertas aos pais e, principalmente, aos seus alunos. O que temos neste momento, por força da pandemia, são escolas que estão fazendo atendimento online, atendimento virtual, uma necessidade em defesa da vida. O ministro da educação diz que as “escolas fechadas” estão “gerando impactos negativos nesta e nas futuras gerações”. Nós sabemos, é um quase consenso, que muitos alunos terão déficits de aprendizagens provocados por conta do

MANIFESTAÇÕES EM CUBA: A CAUSA DAS CAUSAS

Governo de Cuba enfrenta protestos em várias cidades, esta foi a manchete dada em um jornal que revela, em sua reportagem, a parcialidade na divulgação dos fatos. É claro que em Cuba, no último domingo (11) houve manifestantes nas ruas que levantaram a bandeira pedindo maior liberdade, agora o que o jornal não falou, e tem seus interesses em não falar, são os reais motivos pelos quais a população cubana passa por problemas relacionados à distribuição de alimentos, geração de energia elétrica, problemas no combate à Covid-19 entre outros. Não há honestidade ao falar sobre quaisquer manifestações em solo cubano, se a mesma não fizer referência às causas radicais do que provoca essas manifestações e, definitivamente, o que causa as causas. Se parte da população se lança às ruas para reivindicar mais liberdade, maior atenção nas questões relacionadas à saúde (especialmente no combate à Covid-19), questionando o acesso à alimentação e maior segurança na disponibilidade de energia elétrica,