Pular para o conteúdo principal

Post de sexta #1

 Olha aí eu fazendo mais um post aqui no meu blog, agora tentando sistematizar os acontecimentos da semana em minha cabeça. O problema é que hoje ainda é sexta e na minha profissão, acreditem, muitas coisas podem acontecer num único dia e, ainda mais, na sexta-feira.

Vai acompanhando a atualização do post que, espero, possa ser concluído até o final do dia, mas não fique admirado se ele só for concluído no sábado ou, ainda, nem concluído for. Aliás, se fosse eu apostar, apostaria nesta última.

Esta semana foi cansativa, um cansaço bom, foi semana de colegiado de classe, um momento importante para pensar nossas práticas pedagógicas e pensar melhor sobre nossos alunos. Se isso acontece, são outros quinhentos... Aliás, falar sobre o Colegiado de Classe merece não um post, mas um livro inteiro e podem apostar que ele está sendo escrito.

Esta semana também recebi uma mensagem de um grupo de estudos que participei e que selecionou um texto/poema que escrevi por ocasião dos estudos lá feitos. A mensagem solicitava uma autorização para realizar correções feitas por um revisor e é claro que havia (haviam) muitos erros para corrigir, coisa da minha alfabetização e criação. De onde venho aprendi a escrever como falo e, como falo mal adivinhem como escrevo. Há muito erro de concordância, eu as reconheço e aqui no Blog eles irão aparecer com certa frequência, tenho certeza, mas isso também é fruto da forma como escrevo. Penso, logo escrevo, e sem me preocupar com revisão, geralmente não releio o que escrevo, os erros sobem junto com as ideias para a nuvem da internet.

Não coloco a culpa na escola pública, de onde vim, ela não merece assumir essa responsabilidade sozinha. Penso que há uma certa prática regional que legitima essa forma de escrita, que hoje compreendo, mas que continua sendo duramente criticada pela academia, que também entendo. Aliás, compreender que certos textos precisam de revisão antes de sua publicação é uma das minhas certezas também, afinal, trabalho em sala de aula.

Se puder, deixe um comentário neste post que seguiremos no bate-papo.

Este texto continua...


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Horários de ônibus de Pirenópolis para Brasília, Goiânia e outras cidades

 Pirenópolis é uma importante cidade turística do centro-oeste brasileiro, localizada entre duas capitais, a federal (Brasília) e a capital do estado de Goiás (Goiânia). Essa proximidade, além das belezas naturais e a hospitalidade ímpar, oferecida por seus habitantes, faz de Pirenópolis um dos mais procurados destinos turísticos do planalto central. A chegada na cidade se dá pela via rodoviária, veículos particulares e ônibus. Neste último caso, as chegadas e as partidas se dão pela rodoviária que se localiza na vila Matutina 1ª etapa. As opções de viagem não são muitas e, em alguns casos, os atrasos são constantes, pois Pirenópolis, apesar da reconhecida importância turística, encontra-se como um entroncamento a caminha, por exemplo, de Brasília, onde o grande fluxo de passageiros é visível, principalmente nos períodos de feriados e férias. Conforme aumenta a procura por passagens dos turistas que desejam retornar para suas cidades de origem, a busca por horários dos ônibus também au

Qual o pior dos efeitos colaterais da vacina contra o Covid-19?

Imagem de Juraj Varga por Pixabay   Perguntar se a pandemia acabou é uma pergunta retórica. Infelizmente a resposta é não. A pandemia ainda não acabou e por tudo o que pode ser visto quando andamos pelas ruas de algumas cidades, a verdade é que ainda vamos demorar muito tempo para voltar a algo parecido com o que chamávamos de normal aqui no Brasil. Em algumas cidades brasileiras algumas pessoas, infelizmente de todas as idades, insistem em abandonar os protocolos básicos de segurança, entre eles, o uso da máscara e o distanciamento entre pessoas para se evitar as aglomerações. Uma possível hipótese para o relaxamento das medidas de segurança pode ser pelo fato da vacinação entre as pessoas dos primeiros grupos (grupos prioritários), o que justificaria os motivos de se observar um número significativo de pessoas idosas andando sem a máscara. Esse pode ser o pior dos efeitos colaterais da vacina, achar que já é 100% imune contra o vírus ou que não possa ser um potencial transmissor do

Primeiro Post

  Aqui estou, com um novo blog, velho endereço (santiago.pro.br). Voltando à ativa com as escritas sobre o cotidiano e, quem sabe, algumas coisas relacionadas à educação e, em especial, à educação geográfica. Esse novo velho blog, espero, será o canal exclusivo de meus apontamentos, um quase diário e espero contar com a sua companhia. Os textos aqui escritos, em sua maioria, terão um começo (talvez) um meio e (certamente não terá) um fim. Existe a possibilidade de seguir o blog, faça isso e receba as novas publicações assim que elas forem para o ar. No momento é isso, um fraterno abraço e até a próxima!